Vocabulário da horta

Gabriela Pastro

Queridos hortelões, bem-vindos! Preparados para mais um post?

Hoje vamos tirar muitas dúvidas que surgem quando falamos dos cuidados que devemos ter com nossa horta. Às vezes, não entendemos o que aquela “palavrinha” significa e, com isto, não conseguimos entender o que é para fazer ao certo. Já aconteceu isto com vocês?

Selecionamos e explicamos vários termos que geram muitas dúvidas entre os apaixonados por hortas:

Adubo químico (inorgânico): são adubos obtidos a partir de extração mineral ou refino do petróleo. São as famosas “bolinhas” (NPK). Estes adubos são proibidos na agricultura orgânica.

Adubo orgânico: são obtidos através de matéria de origem vegetal ou animal, como esterco e restos de vegetais. Estes adubos são usados e permitidos pela agricultura orgânica.

Bokashi: fertilizante orgânico de origem na Agricultura Natural, muito usado para cultivo de hortaliças e orquídeas.

Drenagem de vasos: consiste em fazer um caminho para que o excesso de água possa ser escoado para fora do vaso. A drenagem mais comum consiste em uma camada de argila expandida, outra de areia de plantio e, por fim, o substrato orgânico (terra).

Estaquia: consiste no plantio de um pequeno ramo de caule, rizoma ou folha em local úmido para que ocorra o desenvolvimento da raiz (água, areia ou terra). Muitas ervas se reproduzem bem por este método, como o alecrim e o tomilho.

Germinação: etapa inicial do crescimento de uma planta, é o momento que o primeiro ramo da raiz (radícula) começa a sair da semente. Podemos ver isto certinho quando colocamos o feijão para germinar no algodão molhado.

Húmus de minhoca: excelente fertilizante orgânico (adubo), oriundo do esterco das minhocas. Não apresenta odor ruim e não causa mal à saúde humana ou animal. Pode ser obtido através da montagem de uma composteira doméstica.

Inflorescência: parte da planta onde se encontram as várias flores. As vezes, o que achamos que é a flor é na verdade uma inflorescência e as flores são bem reduzidas, um exemplo é o girassol. 

Muda: fase inicial de uma planta. Nesta fase que, geralmente, fazemos o transplante.

Planta anual: completa seu ciclo de vida em aproximadamente 12 meses, porém pode durar mais, caso não tenha condições apropriadas de se reproduzir. Podemos adiar esta finalização do ciclo de vida cortando as flores logo no início do florescimento (isto vale para outros tipos de ervas, além das anuais). Exemplos: milho, alho-poró, alface, tomateiro, coentro e manjericão.

Planta bianual: demora 24 meses para completar seu ciclo de vida. São mais raras do que plantas anuais e perenes. Exemplos: cenoura e espinafre.

Planta perene: possui ciclo de vida longo, mais de dois anos. Exemplos: alecrim, tomilho, poejo e melissa.

Plantas rústicas: plantas de fácil cultivo, pouco exigentes e suportam certo estresse. Exemplos: alecrim, tomilho e capim-limão.

Semeadura: ato de semear, colocar as sementes para germinar.

Solo arenoso: apresenta alta concentração de areia (mais de 70%). As grandes partículas presentes neste solo propiciam um bom escoamento da água, porém isto faz com que, muitas vezes, o solo fique pobre em sais minerais. Alecrins e tomilhos gostam deste tipo de solo.

Solo argiloso: possui consistência fina, porém altamente impermeável à água, ou seja, não apresenta uma boa drenagem, visto que, ele retém a água em suas partículas e não permite que esta escoe, ou seja, acessada pela raiz da planta. Sua drenagem pode ser melhorada com a adição de areia.

Solo bem drenado: apresenta um bom escoamento da água. É o tipo de solo ideal para a maioria das ervas e temperos.

Solo calcário: formado por partículas de rocha e rico em carbonato de cálcio, um importante nutriente para as plantas. De aspecto bem seco. Muito comum no Brasil.

Solo humoso, humífero ou rico em matéria orgânica: apresenta grande concentração de matéria orgânica. É extremamente fértil, úmido e rico em nutrientes para as plantas.

Terra orgânica preparada para plantio: é uma terra pronta para plantio, isenta de contaminação biológica, sem adubo mineral. Cada viveiro tem sua mistura, aqui na Sabor de Fazenda ela contém: bokashi, composto orgânico, adubo, húmus de minhoca, substrato orgânico, vermiculita e torta de nim.

Transplante: processo de trocar a muda de um local para outro, replantar. Geralmente, transplantamos de um vaso para outro maior ou de um vaso para um canteiro.

Torrão: bloco composto por terra e raízes compactadas. Ele só se forma quando a planta atinge certo crescimento.

Touceiras: um grupo de plantas juntas dividindo o mesmo sistema de raiz. Muitas plantas se reproduzem por touceiras, como hortelã, cebolinha e capim-limão. 

Esperamos ter esclarecido muitas dúvidas e, se tiverem mais, podem escrever para nós nos comentários abaixo.

Valeu, galera!

Av. Nadir Dias de Figueiredo, 395 – Vila Maria, São Paulo

Sobre Sabor de Fazenda

Somos um viveiro orgânico de ervas e temperos situado na Vila Maria, São Paulo. Oferecemos mais de 90 espécies de mudas de ervas e temperos orgânicos e uma série de atividades, como cursos para crianças e adultos, que se encantam ao aprender o valor e os benefícios de cada planta e a delícia de fazer seu próprio jardim de ervas.
Esse post foi publicado em dúvidas, doenças, drenagem, horta caseira, orgânicos e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s