Temperos da panela indígena

Por Sabrina Jeha

Esse é o nome de um dos capítulos do livro História da Alimentação no Brasil, de Luís da Câmara Cascudo, historiador e antropólogo que se dedicou a estudar e sistematizar a cultura brasileira. No prefácio, ele conta que “Em dezembro de 1943, veraneando na Vila de Estremoz (RN), esquemei liricamente uma História da Alimentação no Brasil , seduzido pelo assunto que vivia esparso e diluído em mil livros.” A partir daí, todas suas vivências, prosas e leituras era material para o livro, que foi escrito entre os anos de 1962 e 1963.

O tempero essencial dos povos indígenas eram as pimentas Capsicum, eles comiam verdes ou maduras, diferentes cores e formatos com peixe e vegetais, misturada a farinha de mandioca e preparavam também o que se chamava de ijuqui  pimenta seca pilada com sal (que eles já sabiam fabricar, secando água do mar em valas).

Ao longo dos séculos XVI e XVII as cunhãs, cozinheiras das tribos, começaram a fazer como as portuguesas: usar os temperos que nasciam em suas hortas. E aí, para minha surpresa, Câmara Cascudo cita uma única erva além das pimentas: “Há uma erva que se chama nhambi, que se parece na folha com o coentro, e queima como mastruço, a qual comem os índios e os mestiços crua e temperam as panelas de seus manjares com ela.” O Nhambi, foi identificado como Eryngium foetidum aqui na Sabor de Fazenda chamamos de coentrão, mas pelo Brasil é chamado de Chicória de Caboclo, coentro de caboclo, coentro de pasto.

Pois é, todo dia, era dia do índio, mas agora ele só tem o dia 19 de abril…Baby do Brasil canta esses tristes versos, um retrato de como os povos indígenas são tratados desde a chegada dos portugueses em suas terras. O ISA, Instituto Sócio Ambiental, faz um trabalho incrível de valorização e preservação da cultura de diferentes povos indígenas e lançou o Manual dos Remédios Tradicionais Yanomami https://www.socioambiental.org/pt-br/o-isa/publicacoes/manual-dos-remedios-tradicionais-yanomami

Um lindo e extenso trabalho de pesquisa sobre os saberes de cura tradicionais desse povo.

Aqui no Sabor de Fazenda, você pode ver de perto algumas ervas que aparecem no Manual Yanomami e no livro do Câmara Cascudo e que são usadas há anos para temperar e preservar a saúde dos povos tradicionais: entre elas estão o coentrão, as pimentas malaguetas, dedo de moça, biquinho, a carqueja, o boldo indígena, gengibre, capim limão, araruta, urucum, cana do brejo.

CA344429-96EE-4B10-B48D-AB59D6B04078

E viva a cultura indígena, hoje e sempre!

Av. Nadir Dias de Figueiredo, 395 – Vila Maria, São Paulo
(11) 2631-4915
sabordefazenda@sabordefazenda.com.br
Anúncios

Sobre Sabor de Fazenda

Somos um viveiro orgânico de ervas e temperos situado na Vila Maria, São Paulo. Oferecemos mais de 90 espécies de mudas de ervas e temperos orgânicos e uma série de atividades, como cursos para crianças e adultos, que se encantam ao aprender o valor e os benefícios de cada planta e a delícia de fazer seu próprio jardim de ervas.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s