O que é um jardim tintório?

Por Gabi Pastro

Você já ouviu falar em jardim tintório? O conceito nada mais é do que um jardim (ou horta) que possui plantas corantes, ou seja, espécies capazes de colorir alimentos ou outros produtos, como tecidos.

O conceito não é nada novo, por exemplo, os monges do sudeste da Ásia tingiam suas vestimentas com açafrão, as quais adquiriam uma coloração terrosa. Hoje esta técnica voltando a tona com nosso resgate  por tudo que é natural, orgânico e com menos impactos ambientais, afinal a industria de tecidos coloridos é responsável por um uso absurdo de água durante a fabricação, fora o uso de contaminantes.

Quero expor aqui para vocês algumas espécies que são viáveis ter em casa, em um pequeno espaço ensolarado, e podem ser usadas tanto para colorir nossas refeições como para tingir tecidos:

Cúrcuma (Curcuma longa): quem já manipulou um rizoma de cúrcuma (ou açafrão-da-terra) sabe a dificuldade de eliminar as manchas amareladas nas mãos. Um dos corantes mais potentes que podemos ter no nosso jardim. No Brasil, esta espécie e o urucum são chamadas de coloral e são amplamente usadas na culinária para dar cor àquelas comidas de coloração pálida.

Feijão-borboleta (Clitoria ternatea): planta trepadeira da família das leguminosas. Suas flores azuis dão uma infusão intensamente azulada, porém instável. Com mudança de pH, torna-se púrpura.

Hibisco (Hibiscus sabdariffa): quem nunca tomou ou viu uma infusão vermelhinha de hibisco? Ela já nos diz do seu potencial corante. Suas folhas, mas principalmente suas sépatas, são ricas em antocianinas, as quais são um tom intenso de vermelho.

Manjericão italiano roxo (Ocimum basilicum ‘Purpurascens’): suas folhas, diferentemente do manjericão-italiano comum, são apresentam antocianinas, entre outros pigmentos, os quais ofertam uma coloração entre o roxo intenso e azul. A infusão que pode variar entre o roxo-azulado e verde. No jardim, a coloração foliar é instável, pois alterações ambientais, como falta de sol, fazem suas folhas perderem o tom roxo e tornarem-se verdes.

Rabo-de-galo (Celosia argentea): de todas as espécies aqui apresentadas, talvez esta seja a menos conhecida como corante. Suas folhas e inflorescências possuem coloração que varia entre o roxo e rosa. Também é rica em antocianina e sua infusão oferece uma cor levemente rosada.

Urucum (Bixa orellana): este aqui também é forte conhecido nosso. Os índios usaram e ainda usam as sementes para tingimento da pele. Sua infusão oferece uma cor terrosa avermelhada à comidas e tecidos.


Quer aprender mais sobre o poder tintório destas plantas? Temos aqui no viveiro o curso  presencial Oficina de Impressão Botânica (16/junho) com as professoras Bia Alcantara e Beth Bacchini. Mais informações: sabordefazenda@sabordefazenda.com.br.

Av. Nadir Dias de Figueiredo, 395 – Vila Maria, São Paulo
(11) 2631-4915
sabordefazenda@sabordefazenda.com.br
Anúncios

Sobre Sabor de Fazenda

Somos um viveiro orgânico de ervas e temperos situado na Vila Maria, São Paulo. Oferecemos mais de 90 espécies de mudas de ervas e temperos orgânicos e uma série de atividades, como cursos para crianças e adultos, que se encantam ao aprender o valor e os benefícios de cada planta e a delícia de fazer seu próprio jardim de ervas.
Esse post foi publicado em jardim tintório, Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O que é um jardim tintório?

  1. ANAFOG disse:

    Como não amar esse blog……muito bom!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.